segunda-feira, 31 de outubro de 2011

CELULA CALADA DA MADRUGADA PARABENIZA CASAIS QUE COMPLETARAM 25 ANOS DE VIDA CONJUGAL

 24 ANOS DE VIDA CONJUGAL
 Mulher virtuosa quem a achará?
O seu valor muito excede ao de rubis. Provérbios 31:10
25 ANOS DE VIDA CONJUGAL
Pois que com amor eterno te amei, também com amorável benignidade te atrai.
Participação Especial
 Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão. Salmos 127:3
Presença do Pr. ISMAEL  e Familia.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

CONSUMO DE CAFÉ PODE REDUZIR RISCO DE CÂNCER DE PELE


    
25/10/2011, Por Redação, com agências internacionais de Boston 28


Quanto mais café se consome mais se reduz o risco de basalioma


Pesquisadores norte-americanos garantem que o consumo diário de café reduz o risco de desenvolver basalioma, forma de câncer de pele mais frequente. A pesquisa, apresentada na conferência da Associação Americana para a Pesquisa do Câncer, em Boston, mostrou que as mulheres que bebem mais de três xícaras de café por dia têm reduzido em 20% o risco de desenvolver basalioma em comparação com aquelas que consomem pouco ou nenhum café.


Já os homens se beneficiam menos deste efeito protetor. Mas, o consumo de mais de três xícaras de café por dia reduz em pelo menos 9% o risco de desenvolver câncer de pele.


Quanto mais café se consome mais se reduz o risco de basalioma. O estudo indica que o consumo de café pode ser uma opção importante para ajudar a prevenir o câncer de pele.


Com quase um milhão de novos casos de basalioma diagnosticados a cada ano nos Estados Unidos, fatores alimentares como o consumo diário de café, inclusive com modestos efeitos protetores, pode ter um grande impacto na saúde pública.


Em maio deste ano, outro estudo feito pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard descobriu que os homens que bebem seis xícaras de café por dia reduzem em 20% o risco de desenvolver câncer de próstata.

sábado, 22 de outubro de 2011

DEUS DOS MILAGRES !

SE NÃO FOSSE A MÃO DE DEUS O QUE SERIA DE VOCES, NEM AQUI VOCES ESTARIAM ...

Familia UNIDA,  DEUS os guardou ...
Nós não podemos DESISTIR ...
CALADA DA MADRUGADA louva a DEUS  pelo grande livramento ...
Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles. - Mateus 18:20

sábado, 15 de outubro de 2011

O PLANEJAR É DO HOMEM, MAIS O AGIR É DE DEUS !

AGINDO EU QUEM  O IMPEDIRÁ?
Isaias 43:13 - Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer
 escapar das minhas mãos; agindo eu, quem o impedirá?

 Sexta-feira, 14 de outubro, na calada da madrugada, o Ministério
Calada da Madrugada realizou 03 visitas, todas ricamente abençoadas. 

Testemunho de uma das visitas

AGINDO EU QUEM O IMPEDIRÁ?
 Com um grupo de  casais e jovens, chegamos a um condomínio fechado para a realização da terceira visita. Todos da calada diziam em uma só voz:
Não vamos conseguir, estávamos todos muito cansados,  já é muito tarde, são muitos violões,  é muita gente, existe as normas do silencio após ás 22:00 h. o apartamento é no segundo andar.

Fomos falar com o porteiro na guarita:
Senhor,  somos evangélicos da Igreja Evangélica Batista de João Pessoa, e queremos fazer uma serenata a uma senhora que reside no apartamento tal, bloco tal, nº. tal, e queríamos sua autorização para entrar.

O porteiro diz, isto não me compete, vou ligar para a sindica e falar com ela.
Após varias tentativas no telefone, a sindica atende e responde:

 (Todos da calada  pensavam que sabiam da resposta: ela não deixou)

AGINDO EU QUEM  O IMPEDIRÁ ? - podem entrar.
Entramos, localizamos o apartamento e iniciamos a serenata. Imediatamente a janela abre e a pessoa visitada corre e acena, pula de alegria, e diz: subam todos para  o meu apartamento!
A coordenação da calada disse, não vamos subir, a senhora é que vai descer, imediatamente à senhora desceu e começamos a louvar.

Na hora da meditação, chega a sindica e mais treis casais, justamente quando a palavra estava sendo proferida: DEUS É FIEL AGINDO EU QUEM O  IMPEDIRÁ,? e ela interrompe e diz:
Hoje eu falei com Deus e ele me disse que viria visitar nosso condomínio, pois na hora que o porteiro de ligou, eu estava dormindo, com muita dor de cabeça, mais falei:

É DE DEUS, PODEM ENTRAR, eu assumo o risco.
A pessoa visitada estava muito aflita,  com a violencia nos ultimos dias, pois seu filho tinha saído com um colega e ela não estava conseguindo falar com ele, nem com o colega e seus familiares.

Quando entrarmos no condomínio chega o rapaz, e se junta à calada, abraça sua mãe e foi uma benção para a visita e para o ministério.
Salmos 70:1 APRESSA-TE, ó Deus, em me livrar; Senhor, apressa-te em ajudar-me

A pessoa visitada não é evangélica, mais proferiu as seguintes palavras:
Eu tenho absoluta certeza que DEUS esta aqui, pois só ele sabia o que eu estava passando, muito obrigado DEUS.

AGINDO EU QUEM O IMPEDIRÁ?

Salmos 70:4 Folguem e alegrem-se em ti todos os que te buscam; e aqueles que amam a tua salvação digam continuamente: Engrandecido seja Deus.



segunda-feira, 10 de outubro de 2011

SAÚDE - Um novo jeito de lidar com transtornos mentais

Pessoas com problemas psíquicos recebem hoje atendimento bem diferente do que nos arcaicos manicômios.


Rádio nacional de Angola

Gustavo Cidral
Publicado 10/10/2011 às 09:25:41 - Atualizado em 10/10/2011
 

Raian de Sousa Rosa, 24 anos, Sheila de Azevedo, 32, e Ademir de Melo, 34, têm algo em comum: sofrem de transtornos mentais. Eles fazem parte de 2% da população que em algum momento da vida passam por uma crise de problema mental. Raian tem esquizofrenia, segundo ele, desde os 14 anos. Sheila é bipolar e Ademir “via” pessoas o seguindo devido à esquizofrenia.
Os três dizem que os problemas surgiram em decorrência da morte dos pais. Segundo o psiquiatra Marcelo José Fontes Dias, o transtorno existe antes da crise, um acontecimento fora da rotina transparece a fragilidade e a dificuldade que cada pessoa tem para lidar com o “problema”. De acordo com o psicanalista, o primeiro surto ocorre entre os 15 e 30 anos. Antes, as pessoas têm uma vida estabilizada. “É o caso de um adolescente que é calado demais, por exemplo”, explica. “Quem tem algum transtorno, em algum momento da vida uma situação irá desencadear a crise”.
O médico esclarece que a humanidade é dividida em três estruturas mentais definidas nos primeiros anos de vida. A considerada “normal” é a neurótica, na qual a maioria das pessoas se enquadra. Nesse caso, há problemas menores, que podem ser facilmente controlados, como histeria e fobias. “Todo mundo tem um pouco de transtorno, como o perfeccionismo. A pessoa passa a precisar de ajuda apenas quando a mania chega ao ponto de atrapalhar a vida social ou profissional”, afirma o psiquiatra.
A segunda estrutura forma os psicóticos. Esse grupo possui transtornos como esquizofrenia, paranoia e bipolaridade, que precisam de tratamento para que haja convívio social. “O psicótico não entende o estilo de vida dos neuróticos. Por isso as crises acontecem quando há uma nova etapa na vida, seja entrar na escola, namorar, trabalhar ou perder alguém”, conta Dias. Os psicóticos não chegam a 10% da população. Já a terceira estrutura é a dos perversos, em que estão inseridos os psicopatas e outras pessoas que apresentam ameaça à sociedade.
A depressão é o transtorno mental mais comum. Um mal totalmente ligado ao estilo de vida atual, segundo o psicanalista, em que há muita cobrança para atingir resultados. A maioria dos casos não apresenta necessidade de tratamento intensivo. Porém, os mais graves podem gerar tentativa de suicídio e delírios, o que precisa ser cuidado com medicação ou internação.
Um lugar para aprender a conviver
Se Raian, Sheila e Ademir vivessem há algumas décadas, certamente seriam levados para um lugar conhecido como manicômio. Mas um modelo de atendimento proposto na Itália  começou a ser construído e adaptado no Brasil, em 1986, substituiu os hospícios e seus métodos para cuidar de doenças psiquiátricas. O Caps (Centro de Atenção Psicossocial) foi instituído em 1992 e consiste num local que oferece cuidados a pacientes em sofrimento psíquico. Trata-se de uma unidade de saúde especializada no cuidado intensivo, comunitário, personalizado e busca promover a qualidade de vida para os que sofrem com transtornos mentais graves e persistentes.
Jaraguá do Sul se enquadra no grupo de cidades que possuem entre 70 e 200 mil habitantes. Por isso, tem há cinco anos uma unidade classificada como Caps II. De acordo com a subgerente Denise Thum, o Caps foi criado quando começou a ser discutida a saúde mental. “Precisava de um olhar especial”, afirma. A instituição dos Caps ocorreu com a reforma psiquiátrica, determinada pela Política Nacional de Saúde Mental.
O Caps II de Jaraguá dom Sul recebe 295 pessoas, uma média de 40 por dia. Eles sofrem, principalmente, de esquizofrenia, transtorno bipolar, depressão grave e alguns tentaram tirar a própria vida.
O atendimento à pessoas com transtorno mentais começa nas unidades básicas de saúde, onde os usuários são avaliados e encaminhados ao Caps pelos médicos especialistas do SUS. Um profissional faz uma entrevista para saber a história da pessoa, grau de comprometimento, medicações em uso e situação familiar. As informações são usadas para a montagem de um plano terapêutico individual, que pode ser classificado em três categorias: intensivo, semi-intensivo e não intensivo.
O intensivo é aplicado todos os dias aos com grave sofrimento psíquico, em situação de crise ou dificuldades no convívio social e família. O semi-intensivo, no qual o usuário pode ser atendido até doze dias no mês, é oferecido quando o sofrimento e a desestruturação psíquica da pessoa diminuíram, melhorando as possibilidades de relacionamento. E o não intensivo é oferecido quando a pessoa não precisa de suporte da equipe para realizar atividades na família e no trabalho, podendo ser atendido até três dias no mês.
As atividades realizadas no Caps são: ateliê de criação, auto-cuidado, artesanato, pintura, grupo de luto, consulta de enfermagem, jogos de mesa, argila, culinária, mural de notícias, psicoeducação, corpo em movimento, cidadania, relaxamento, atividade livre, intervenção em crise, grupo de convivência, atividades da vida diária, geração de renda, recreação, memória, ideias em pano. Os participantes também ganham café da manhã, almoço e lanche da tarde.
O Caps de Jaraguá se mantém com um repasse mensal de R$ 32 mil do Ministério da Saúde.

Crianças e adolescentes
Outro lugar que atende pessoas com transtornos mentais é o Ambulatório de Saúde Mental Infanto-Juvenil. É unidade da secretaria de Saúde de Jaraguá do Sul que presta serviços a crianças e adolescentes até 18 anos. São usuários com problemas em saúde mental que comprometam a própria saúde, atividades de estudos e outros tipos de relações sociais.
Os atendidos passam por um processo de avaliação para saber o problema e se necessita de intervenção por meio de psicoterapia, orientação ou encaminhamento a outro serviço de saúde. Os pais também são entrevistados para apresentar informações aos cuidados do usuário.
Segundo psicóloga Maria Natália Machado, os transtornos podem ser detectados desde os três anos. “A criança apresenta sintomas como fala desconexa e delírio e a mãe tem dificuldade para estabelecer um limite”, conta. Os pais devem procurar a ajuda quando notam comportamento estranho na criança.
Um novo olhar sobre os transtornos
Raian, Sheila e Ademir frequentam o Caps II de Jaraguá. Segundo eles, melhoraram bastante após participarem das atividades realizadas no Centro. “É importante a família e a sociedade entender como conviver com os transtornos sem isolar as pessoas”, diz Denise. O Caps trabalha com as potencialidades de cada usuário, explorando o que é possível para cada um desenvolver. "A pessoas têm medo. É preciso haver uma aproximação para desmistificar os problemas mentais" explica a terapeuta ocupacional Ana Célia de Oliveira.
A maioria dos atendidos tem consciência da própria condição. “Alguns até ligam avisando que estão prestes a ter um surto e precisam de ajuda”, conta Denise. Ademir foi um dos que procurou auxílio. Ele não conseguia trabalhar direito e via pessoas o seguindo. “Meu ex-chefe é que me ajudou a procurar tratamento”, diz. Tanto Ademir quando Raian e Sheila desenvolveram amizades dentro do Caps e consideram as atividades desenvolvidas no Centro fundamentais para a saúde mental.
O sistema de tratamento usado no Caps é um “intermédio entre a vida na comunidade e a psiquiatria”, explica a terapeuta ocupacional Carolina Santana Mafra. Somente são encaminhados para internação quando há crise aguda. Internações que, segundo a psicóloga Camila Pappiani, não passam de um mês.
Não há ala psiquiátrica em Jaraguá do Sul. Quando necessário, os pacientes são levados para o Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, em Joinville.
Treinamento aos outros profissionais de saúde
Uma das atividades realizadas pelos funcionários dos Caps é o matriciamento. Segundo a assistente social Sibeli Cristina Reichow, trata-se de uma troca de informações com profissionais que fazem o primeiro atendimento nas unidades de saúde.
Os servidores recebem há dois anos suporte e treinamento mensais. Cada mês uma unidade recebe a equipe do Caps. “É importante saber como lidar com os transtornos desde o primeiro contato. Muitas pessoas ainda são encaminhadas de maneira errada para o Caps”, explica Sibeli.
Jaraguá do Sul conta com uma equipe de 31 profissionais entre artesão, assistente social, enfermeiro, médico psiquiatra, motorista, psicólogo, recepcionista, servente, terapeuta ocupacional e vigilante nos Caps II, AD e Ambulatório.



Glycerio comentou 10/10/2011

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

João Pessoa adere ao Outubro Rosa contra o câncer de mama

João Pessoa adere ao Outubro Rosa contra o câncer de mama João Pessoa adere ao 'Outubro Rosa' contra o câncer de mama

Assim como o Arco do Triunfo, em Paris, e o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, a Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, em João Pessoa, aderiu à campanha "Outubro Rosa”, movimento que simboliza a luta contra o câncer de mama. A iniciativa mundial tem o objetivo de chamar a atenção das mulheres para a importância de exames preventivos contra a doença.

O câncer de mama é o tipo mais comum da doença entre as mulheres. Só este ano já matou 122 paraibanas, segundo dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do DataSus.

O "Outubro Rosa” foi criado em 1997, nos Estados Unidos. No Brasil, a primeira iniciativa aconteceu em 2002, quando o Obelisco do Ipiranga (em São Paulo) foi iluminado de rosa. Assim vários monumentos já receberam a iluminação rosa, como a Ópera de Arame (PR) e o Memorial JK (DF).

Esta é a primeira vez que a Paraíba participa da campanha, aberta na noite de terça-feira (4), e além da Estação Cabo Branco também serão iluminados o Busto de Tamandaré, em Tambaú, e a Lagoa do Parque Solon de Lucena. Até o final deste mês, haverá palestras informativas sobre a doença em shoppings, presídios, hospitais e feiras livres. Será um mês de atividades com encerramento no próximo dia 30, com uma caminhada do Busto de Tamandaré até o Jangada Clube, no bairro do Cabo Branco.

"Nós nos sentimos muito honrados em aderir a uma campanha tão importante e com uma causa tão nobre. Desejamos que a Estação Cabo Branco iluminada na cor rosa possa servir de alerta para as mulheres sobre a importância do autoexame e da mamografia, já que se detectado precocemente as chances de cura do câncer da mama são bastante elevadas” afirmou a diretora geral da Estação Cabo Branco, Marianne Góes.


Ascom

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Campanha contra o câncer de mama ilumina o Cristo Redentor de rosa


Jornal do BrasilCarlos Caroni




O 'Outubro Rosa', iniciativa criada nos Estados Unidos há cerca de 10 anos com a intenção de alertar sobre os riscos e a necessidade de prevenção do câncer de mama, será lançado nacionalmente nesta terça-feira. Para celebrar a data, o Cristo Redentor e a Igreja da Penha, no Rio de Janeiro, além do Palácio do Planalto, em Brasília, serão iluminados de rosa, cor do movimento. Monumentos e locais simbólicos em outras cidades também ganharão a iluminação especial. No Brasil, a empreitada é coordenada pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à saúde da Mama (Femama).
Durante o mês serão promovidas atividades por todo o país. No Rio de Janeiro, a Prefeitura, com o apoio da Philips e do Projeto CIES (Centro de Integração de Educação e Saúde), disponibilizará, entre os dias 6 e 26, uma unidade itinerante para que as moradoras de Bangu, Santa Cruz, e do Complexo do Alemão realizem mamografias gratuitamente.
O atendimento será feito com horário marcado, das segundas-feiras aos sábados, entre as 7h e as 17h. Para tanto, a paciente deverá possuir solicitação prévia do procedimento expedida pela rede pública. As mulheres que forem diagnosticadas com a doença serão encaminhadas para tratamento em unidades do SUS. A expectativa é de que 2 mil exames sejam realizados no período.


Iluminação alertará para os perigos e para a necessidade de prevenção contra o câncer de mama
Iluminação alertará para os perigos e para a necessidade de prevenção contra o câncer de mama

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama é o segundo tipo mais comum da doença no mundo e o mais frequente entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos. O número anual de ocorrências no país é estimado em cerca de 49 mil e, embora menos comum, homens também podem ser atingidos.


Ainda segundo o INCA, as taxas de mortalidade por câncer de mama no Brasil continuam elevadas, e um dos prováveis motivos é o diagnóstico tardio. Em 2008, ano do último levantamento feito no país, foram registradas 11.860 mortes em decorrência da doença. Das vítimas, 11.735 eram mulheres e 125 homens. Na população mundial, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a sobrevida média após cinco anos é de 61%.

Sintomas e fatores de risco
Além do aparecimento de nódulos no seio e na região da axila, os principais sinais da doença, cuja incidência cresce em mulheres a partir dos 35 anos, são alterações no formato, na coloração e na textura da mama. Os mamilos podem ainda retrair-se, inchar-se ou apresentar secreção.
Para prevenir a enfermidade é recomendado praticar exercícios físicos com regularidade, não fumar e adotar uma dieta equilibrada, sem o consumo de bebidas alcoólicas. Mulheres que menstruaram antes dos 12 anos, com histórico da doença na família e que não tiveram filhos ou foram mães após os 30 anos devem ficar atentas. A exposição excessiva a tratamentos com Raio X e estrógeno também se constituem em fatores de risco.

Detecção e tratamento
Embora amplamente divulgado pela mídia, o autoexame não é indicado pelo INCA, pois pode aumentar o número de biópsias desnecessárias e trazer uma falsa sensação de segurança à mulher. A maneira mais eficaz de detectar a doença é através de consultas com profissionais qualificados. O exame clínico das mamas deve ser feito uma vez por ano pelas mulheres que têm entre 40 e 49 anos. A partir dos 50, a mamografia (raio-x das mamas) deve ser realizada a cada dois anos, ou de acordo com prescrição médica.
Uma vez constatada a presença de uma lesão suspeita, o médico indicará uma biópsia, que determinará se o tumor é maligno ou não. Caso o resultado seja positivo, o tratamento pode ser feito com quimioterapia, radioterapia e através de intervenções cirúrgicas para remover o nódulo. A mastectomia (retirada total da mama) é indicada somente em casos mais graves.
Tags: campanha, CÂNCER,  prevenção, sintomas
 Cor rosa ganhou destaque nas ruas em alerta ao Câncer de Mama 

Na manhã de ontem, segunda-feira, 3, em Iporá, conforme era programado, ocorreu a grande caminhada de prevenção ao Câncer de mama. Foi parte dO movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa e comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama. Um sonoro alerta foi dado a respeito deste tipo de Câncer que acomete 50 mil mulheres por ano no mundo e 12 mil chegam a morrer.

O alerta foi para que as mulheres tenham o cuidado de se prevenir, com o auto-exame da mama e com a prática de mamografia. Eram milhares de pessoas em uma caminhada que saiu da Praça do Trabalhador e retornou ao mesmo local, depois de passar pela Avenida Pará, Rua Goiânia, Avenida 15 de Novembro e Rua Esmerindo Pereira. A cor rosa estava estampada em camisetas e nos laços colocados nas roupas. 

A caminhada contou com carros de som, faixas, adesivaço e distribuição de panfletos. No final da caminhada, sob tenda na Praça do Trabalhador, o médico mastologista Antônio Eduardo Rezende que atende em Goiânia, mas que tem ligação com a região, sanou dúvidas de mulheres, falando no serviço de som instalado no local. 

A Caminhada de Prevenção ao Câncer de Mama foi iniciativa do Instituto Avon, que tem trabalho interessante nesta área, e ainda da Associação de Combate ao Câncer em Iporá (ACCI), Secretaria de Saúde, Polícia Militar e empresas iporaenses parceiras.

Médico mastologista Antônio Eduardo Rezende falou aos presentes no final da caminhada sanando dúvidas sobre a doença . Ao lado (com o microfone) Vilton Pereira, animador do evento, e, aos fundos, Iraci Dias Cabral, da ACCI, uma das organizadoras da caminhada.


No dia de ontem, 3, funcionários de várias empresas vestiram a camiseta rosa para sinalizar apoio à prevenção. O Oeste Goiano foi uma destas empresas apoiadoras. 

Jornal do BrasilCarlos Caroni


 


sábado, 1 de outubro de 2011

Homens também podem desenvolver câncer de mama

Redação SRZD | Ciência e Saúde | 01/10/2011 19h04
Foto: ReproduçãoOs homens também podem desenvolver câncer de mama e devem incluir o autoexame em suas rotinas diárias. Mesmo que em número menor em relação às mulheres, é importante que os homens façam o autoexame para detectar possíveis nódulos na mama.
A vice-presidente da ACP e coordenadora do Conselho da Mulher Executiva da instituição que integra o movimento Outubro Rosa, Kazuco Akamine, conta que "somente no Paraná são 2.990 casos de câncer de mama por ano".
Ela reforça que é necessário chamar a atenção para o assunto. Akamine diz que a incidência da doença é de que "a cada 24 segundos uma mulher é diagnosticada com câncer de mama no mundo e a cada 68 uma mulher morre em decorrência da doença".
Os números chamam uma atenção muito maior para as mulheres. Mas o mastologista Cícero Urban, da unidade de mama do Hospital Nossa Senhora das Graças e professor da Universidade Positivo, enfatiza a importancia do autoexame nos homens. Ele explica que para os homens não há a necessidade de exames mais elaborados como ecografia ou mamografia, devido a baixa incidência da doença.
O aposentado Hamilton Ianoski já enfrentou a doença. Ele passou por uma cirurgia para a retirada do tumor e por 12 sessões de quimioterapia, além de outras 30 de radioterapia para finalizar o tratamento.
Curado, Ianoski continua indo ao médico a cada seis meses para monitorar a doença. "E tomo um remédio indicado pelo médico para prevenir o retorno do câncer", diz o aposentado.